domingo, 17 de abril de 2011

Situations

ela acabara de o conhecer. nunca tinham nem se visto antes, ele tinha dito o nome quando se apresentou, mas até ali não tinha chamado a sua atenção, então estava pensando, depois de tanta conversa, como chamá-lo, já que havia esquecido sua graça. ele articulava as palavras e organizava as ideias soltando-as sem parar, atordoando arrumadamente a cabeça dela e a convencendo de que o que ele falava era pura verdade, e o que mais a assustava era que antes de responder alguma coisa, as ideias dela já estavam sendo explanadas por ele, como se lesse os seus pensamentos. estava pasma com todo o encantamento repentino que estava sentindo. conversavam sobre muitas coisas diferentes no meio de um monte de gente.

no inicio não estava interessada, mas agora era diferente, estava fingindo não estar. ele percebeu e a deixou sozinha, saiu subitamente. fez com que acreditasse que tentaria alguma coisa e insistiria, mas a deixou plantada em pé sem saber o que pensar. ela se esforçava e se espremia mas não conseguia lembrar do seu nome. começou a criar cenas diferentes de um futuro próximo que não sabia mais sobre o que pensar, enquanto ele a observava, de um canto, quase escondido, esperando a hora certa, esperando o arrependimento dela chegar e tentar explicar o tamanho da oportunidade que havia perdido.

não podia chamá-lo. como chamaria? tudo na situação a deixava mais encantada. um estranho que parecia mais íntimo do que muitos que conviviam com ela todos os dias, a forma como ele expunha suas ideias e como ele sabia justamente o que ela ia falar e o que ela queria ouvir. o bloqueio, que era companheiro, não existia ao seu lado. ela, que crera que ele iria aparecer e tomar-lhe em seus braços. a sensação de esperança a mantia esperando. até começar a desacreditar. sentou-se e em meio a tantas pessoas, sentiu-se sozinha. fechou os olhos.

do mesmo canto em que estava, sentiu que deveria se aproximar. e o fez. ela sentiu-se leve de repente. ele ja havia provado que sabia o que dizer, mas agora ela tinha a certeza que ele sabia desde o inicio que ia acontecer. se conseguia ler mentes ou prever o futuro, ninguém sabe. mas naquele momento, entre todos os conhecidos, os estranhos tornaram-se mais íntimos do que todos os outros.


agradecimentos imensuráveis à Camilla Canuto;

Um comentário: