terça-feira, 28 de maio de 2013

Relógio quebrado

Ser ou não ser não é mais a questão,
me desculpem Shakespeare, Jobim e Platão,
mas ninguém nunca esteve com a razão,
até o momento em que as luzes se acenderam
e ela entrou no palco ajeitando os cabelos.

Solução pro meu dilema é pouco, Tom,
olha que espetáculo, é um dom!
A voz mansa, cantante
combina com os olhos, também radiantes.
Enrolei seu dedo com prata e te dei um relógio
quebrado, sem jeito, pra hora não passar, analógico.

Uma viagem sem volta,
no mundo, dar voltas.
Estou bem com a sua chegada
Não irei te pedir nada.
Fascistas, budistas, pacifistas, árabes, muçulmanos,
concordariam com o que eu disse e até fariam um plano
Se uniriam, eu sei, para tentar entender
como existe alguém tão boa quanto você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário