terça-feira, 25 de junho de 2013

Penitência

Colecionando desilusões,
desconstruindo paixões
e desmontando o coração.
O rosto chora, a alma implora,
a existência resumida a penitência.
Em seu quarto, à horas, a menina,
desolada ora e pede por seu amor de volta.

A lua maltrata as lembranças
de quem prometeu estrelas a outro alguém,
a noite vagarosa e fria tortura a mente
dos que sentem a falta de outro alguém.
"Por que tem que ser ser assim"?
Triste fim essa história que não teve início.

Amores estragam músicas que amávamos
poesias que líamos com esperança
de filmes que assistíamos desde criança.
Todo som só faz lembrar dela
e os versos cretinos
te fazem vê-la ainda mais bela
mesmo com a ferida ainda recente
o filme ainda passa em nossa mente

Domingo era pé-de-cachimbo
mas virou com ele o dia do sofá
ver, deitada, o futebol
torcer junto pro time enfim ganhar
almoço em família, rede, sol
agora não tem mais nada
e ainda responder pra minha tia chata
que não sou mais a namorada.

O amor geralmente dói e quebra
na frente conserta e depois atropela
cai do céu como providência
mas as vezes machuca como consequência
Vivemos sofrendo ou sorrindo
de amor vivemos e não escondemos
somos felizes assim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário