sexta-feira, 22 de julho de 2011

Aos bons

Venho primeiramente, e antes de tudo pedir licença, uma a Deus porque o assunto não é dos melhores, e outra ao Rafa que me concedeu o blog pra postar em um momento de loucura, mas vamo lá.
Amanheceu, e nada era igual, não que tivesse saído do lugar, mas simplesmente já não havia mais lugar. A vida. O que ela significa pra você, ou pra eles, ou pra nós? As mesmas respostas pras mesmas perguntar, e como sempre estagnados no mesmo mistério. No caminho que traçamos, escolhemos, pensamos, vivemos e talvez até aprendemos, mas ultimamente as maiores lições que vejo são as que eu não sou nada, e que os bons nem sempre estarão conosco.
Amigos, parentes, ou apenas distantes, mas que nos chocaram por não acharmos que era a hora do "adeus" e se foram. Já não se vive mais como era de costume, a alegria transbordante de um sorriso falso e amarelo, todos percebem que é falsa, e a força do homem na rua, é o choro de saudade do menino em casa.
Não sou poderoso, vim do pó e sei que a ele retornarei, e mesmo que fosse não julgaria. Olho pro céu, com coração apertado, saudade daqueles que se foram... O que ficou? A essência, as memórias, o sorriso, a ausencia, todos que já tiveram perdas na vida, nesse momento estão me entendendo... Aos bons, que foram cedo, meu humilde adeus e minha promessa de fazer valer meus dias em nome dos seus, e que sempre se faça presente aquilo que nunca se foi: Nossas histórias, as verdadeiras imortais!

Vinícius Felizola

2 comentários:

  1. realmente os tempos se foram sentimentos hj são expostos de forma banal e sem valor :/ como vc disse as hist são imortais, os tempos, a saudade em especifico nos tras a essencia disso tudo... sorte dos q tiveram a oportunidadee de ter os bons de forma geral pessoas, momentos, tempos e td mais na sua vidaa..

    ResponderExcluir